VOD available

le retour des cépages résistants

La vidéo va s'afficher :-)

Vitis

prohibita

un film de Stéphan Balay

Clique na imagem para ver o vídeo

UMA LONGA METRAGEM DOCUMENTAL

SEM PRECEDENTE SOBRE OS VINHOS PROIBIDOS
E AS CASTAS RESISTENTES

apresentação

 

 

 

Poderia tratar-se de uma lenda, mas não é, é antes a história bem real de uma tentativa de assassinato legal, a rejeição de umas quantas castas desclassificadas, dos vinhos interditos, acusados de todos os males, culpabilizados por terem mau gosto e incriminados por tornarem as pessoas loucas.

Uma interdição que atinge hoje em dia milhares de variedades de uva em toda a Europa.

Estas castas proibidas são qualificadas de impuras, apesar de serem portadoras de uma diversidade genética inestimável.

Que crime cometeram? Resistir. Resistirem às pragas, estarem naturalmente adaptadas às mudanças climáticas e libertarem-se dos pesticidas e outros produtos que inundam a viticultura moderna.

As vinhas resistentes salvaram os vinhedos pela primeira vez no século XIX e são hoje em dia uma das soluções para uma viticultura responsável e respeitadora do ambiente.

Enfrentando uma legislação extremamente hostil e apesar da péssima reputação destas castas, uns quantos camponeses rebeldes, convictos dos seus verdadeiros valores, nunca deixaram de cultivar as interditas.

As castas resistentes ainda não disseram a sua última palavra. 

Tournage Vitis Prohibitus

conservatório de Gilbert Bischeri, vila de Aujac

E depois também não podia ignorar a região de origem destas castas híbridas, os Estados Unidos e, em particular, o Estado de New York. Continuam a cultivar-se aqui um grande número de castas indígenas, ao lado das castas híbridas francesas que fizeram o vaivém entre o velho e o novo mundo. Lucie Morton, conhecida consultora de enologia e antiga aluna de Pierre Galet, fala-nos da estreita colaboração entre investigadores americanos e cientistas franceses que permitiu salvar, não só os vinhedos europeus, mas também os vinhedos californianos igualmente atingidos pela filoxera.

Quando nos interessamos pelo assunto das castas interditas e resistentes, damo-nos conta de que ele engloba uma grande variedade de temáticas intrinsecamente ligadas:

Começa por ser uma narrativa histórica apaixonante sobre a forma como estas castas conquistaram o coração dos botânicos e chegaram a França, acabando depois por provocar os desastres e as crises vitícolas dos finais do século XIX e princípios do século XX. Uma lição formidável sobre os começos e os primeiros impactos da mundialização que hoje em dia nos submerge. 

Torna-se depois no cenário de uma batalha política e jurídica, de David contra Golias, cujo ponto final ainda não foi posto.

Passa ainda por ser um olhar sobre a nossa sociedade de consumo, cujo sector vitícola parece estar completamente padronizado e formatado pelos industriais com grande poder no mercado. Uma história de preferências que ainda não parou de surpreender nem de evoluir.

É ainda um debate de ideias e de testemunhos a favor de uma agricultura em maior harmonia com a terra e os consumidores.

E é finalmente o retrato societal de uma região: a de Cévennes e os seus camponeses proletários que desciam à mina com as suas garrafas de Clinton, mas também os novos camponeses que pressentem uma forma alternativa de trabalhar a terra, uma outra maneira de pensar o emprego e a economia.

Stéphan Balay

Tendo a minha família alguns laços numa aldeola do Parque Nacional de Cévennes, na região do Gard, notei amiúde a presença de uma garrafa de Clinton em cima da mesa, aquando das nossas refeições entre amigos. O meu pai, um tanto provocador, adora surpreender os seus convidados dando-lhes a provar este vinho interdito que só ele sabe onde encontrar. De alguns anos a esta parte que a venda clandestina tem tendência a desaparecer, tornando-se, em contrapartida, tema para reivindicações. Reivindicação contra a nossa sociedade de gostos formatados, reivindicação por uma agricultura respeitadora do ambiente, reivindicação para acabar com uma proibição imposta por velhas leis infundadas, injustas e obsoletas.

Na Occitânia, mas também para os lados dos nossos vizinhos italianos, austríacos e outros, formam-se associações, os militantes agrupam-se e fazem barulho, apesar de termos hoje em dia livros, revistas especializadas, artigos de jornal, reportagens televisivas, blogues e outros meios de comunicação que se interessam de perto pela vasta problemática e pelos jogos de interesse que se geram em torno do assunto. Mas, que eu saiba, nunca se fez nenhum filme sobre as castas interditas, nunca se realizou nenhum documentário que nos desse uma visão de conjunto, documentada e centrada no âmago da questão. 

Foi esse filme que eu quis fazer, dando a palavra aos mais antigos que perpetuaram a tradição do vinho de latada, aos jovens que têm uma visão mais estruturada do potencial de exploração destes vinhos em termos de empregos e de retornos económicos, e aos militantes apaixonados que são os melhores conhecedores destas plantas (os viticultores ‘clássicos’ não terão talvez tanta experiência com este tipo de vinhas, apesar do, ou até devido ao, seu percurso profissional).

Ao preparar o guião do filme, entrei cedo em contacto com as pessoas mais entendidas no assunto, por um lado com os idosos que ainda fazem o seu vinho e os jovens viticultores amadores e entusiastas que se agruparam em associações para defenderem estas castas quase esquecidas e, por outro lado, com os investigadores e autores de publicações de referência, como Pierre Galet, eminente ampelógrafo montpelierano que dedicou a sua vida ao estudo e ao ensino da vinha e que ainda hoje, com 96 anos, continua a publicar obras de referência.

nota de intenção do realizador

 

 

 

dégustation par le jury aux rencontres des cépages cévenols

degustação pelo júri nas reuniões das variedades de uvas do Cevennes

A história do paladar é interessante na época em que vivemos, porque bebemos muito menos vinho do que antes e hoje o consumidor está procurando um perfume, algo um pouco especial. Quando Freddy Couderc, Nîmes, autor do livro de referência "Os vinhos míticos da Cévenne ardéchoise e Bas-Vivarais", os apresenta a pessoas como seu amigo Nîmois, primeiro sommelier da França ou nos laboratórios, cada vez que lhe perguntam "o que são esses vinhos? Esses aromas de framboesa? Groselha, ameixas secas? "

É verdade que eles têm fragrâncias extraordinárias. Estes perfumes são obtidos apenas se as uvas atingirem a maturidade. A Isabella of America tem uma fragrância de framboesa tão extraordinária que os caminhões-tanque vieram da Alsácia para procurar cachos nos Cevennes para trazê-los de volta, destilá-los e passá-los como álcool de framboesa.


Somente os camponeses sempre têm medo das fortes chuvas do começo do ano, chamadas "episódio Cevennes". Por isso, por medo de não ter suas colheitas no prazo, eles costumavam colher os cachos antes do amadurecimento das uvas, o que não alcançava a melhor qualidade e acabava dando má reputação.

Hoje, as associações estão em campanha pelo levantamento da proibição que baniu as seis castas por mais de 80 anos. Eles, no entanto, se beneficiam de uma pequena tolerância para produções de 30 litros a 6 hectolitros reservadas ao consumo familiar e às associações de conservação da herança.

A associação "Frutos Esquecidos Rede", vila de Lasalle, organiza o agora tradicional "reuniões das variedades de uvas do Cevennes". Um júri, composto por especialistas e enólogos, testa os vinhos anonimamente, estabelecendo para cada amostra uma folha de degustação sensorial. Enquanto isso, do lado de fora, cerca de trinta entusiastas trocam experiências e questões técnicas sobre vinificação. O objetivo declarado é melhorar constantemente a qualidade desses vinhos. À tarde, a degustação é aberta ao público.

 

dégustation par le jury aux rencontres des cépages cévenols

degustação pelo júri nas reuniões das variedades de uvas do Cevennes

Para Freddy Couderc, Clinton está relacionado ao espírito rebelde dos Cevennes. "É o garoto mau. Ficou assim. Um dia, quando fui convidado para uma inauguração, havia o sous-préfet e os gendarmes. Quando perguntados sobre o que eles queriam beber, disseram "Clinton". Eu ri muito". Clinton é o símbolo do que não fazer e do que todo mundo faz, é proibido.

Os Cevennes são terras selvagens com uma rica herança histórica, terras com muitas faces, acostumadas a fortes contrastes climáticos, terras de resistência. Os Cevennes sabiam, apesar de tudo e apesar das proibições, manter as castas proibidas.

 

Gilbert Bischeri, seguindo os passos de seus avós. Em torno de sua casa de fazenda isolada na aldeia de Aujaguet, abaixo do magnífico castelo de Aujac, ele cultiva com amor as videiras plantadas por seus ancestrais. "Aqui estamos em terras rebeldes e as pessoas não rasgaram as vinhas. Mas a partir do momento em que não era mais possível comercializar seus vinhos, eles desistiram. Meus avós não venderam. Isso explica por que as videiras ainda estão lá. "

Ele gostaria que essa luta terminasse para derrubar a proibição das seis castas em 1934. E seu modo de pensar é antes de tudo cultivar as famosas plantas de Clinton, Isabelle, Jaquês, Herbemont, Noé e Otelo.

Há uma década, Gilbert Bischeri adicionou uma nova planta. Um pé encontrado na natureza, que cresceu sozinho. No Domaine de Vassal, em Marselha, onde o INRA preserva castas de todo o mundo, foi assegurado que era uma uva desconhecida e que ele poderia nomeá-la como quisesse. Ele chamou de "Noir d'Aujaguet".

 

As variedades "selvagens" Vitis labrusca são particulares, têm pronunciado gosto de frutas. Um gosto que gostamos ou não gostamos. As pessoas que bebiam Noé estavam acostumadas com esse perfume, e acharam o vinho comum. Os americanos adoraram o Concord, que é outra variedade de Isabelle, mais poderosa.

o filme

 

o espírito do vinho

 

 

 

 

a maldição

Tudo começou no século 19, quando a importação de videiras exóticas para a Europa era de particular interesse para botânicos e aristocratas. O cientista sueco Linné chama a videira européia Vitis vinifera porque produz vinho e a videira selvagem americana Vitis labrusca. O Jardim Botânico de Montpellier liderado por Augustin Pyrame de Candolle trouxe-o com suas plantas e é assim que algumas variedades de uva americanas, como Isabelle, chegam ao nosso continente.

Mas esta Isabelle não vem sozinha, é acompanhada por dois parasitas: oídio (um fungo) e filoxera (um inseto). A primeira parte destruída da vinha francesa em 1854 (após uma grande crise com apenas 10 milhões de hectolitros produzidos) e a segunda devastou quase toda a vinha européia na década de 1880.

Assim, a filoxera, descoberta pelo botânico de Montpellier Jules-Émile Planchon, chega perto da lagoa de Roquemaure ao domínio de Manissy em Tavel. Todas as doenças americanas, mesmo a podridão negra que foi descoberta em Ganges, no Hérault, são a consequência das videiras americanas. No entanto, Isabelle, Clinton e outras variedades "criminosas" também são salvadoras: nós as usaremos porque são realmente portadoras saudáveis.

 

 

 

présence du phylloxera en France en 1882

presença de filoxera na França em 1882

A reconstrução da vinha vai demorar um pouco. O vinho é raro e caro. Durante muito tempo, preferimos a quantidade antes da qualidade. A França sai de um período de grandes restrições e milhares de toneladas de passas foram importadas da Turquia para fazer um ersatz.

Naquele momento, o setor de enxerto e o setor de plano direto estão desenvolvendo ao mesmo tempo. Os planos diretos são planos hibridizados de videiras européias, americanas selvagens ou mesmo russas. Durante muito tempo, os dois setores coexistirão.

A videira Vitis vinifera cultivada na orla do Mediterrâneo por vários milênios era franca, ou seja, não enxertada. Após a filoxera e após muitos testes de tratamentos, tão caros quanto infrutíferos, uma solução para salvar as videiras européias foi enxertar tolerantes às uvas americanas. As primeiras tentativas em videiras americanas levam a um sucesso misto, dependendo do solo. Hoje, os porta-enxertos são híbridos entre as videiras americanas e européias, combinando a resistência à filoxera de uma com a tolerância de calcário da outra.

phylloxera
phylloxera

filoxera

Vendo que as variedades de uva americanas resistem a doenças, pequenos agricultores que não são viticultores plantam essas videiras com facilidade de cultivo. Eles produzem um vinho natural sem tratamento químico e gostam do sabor. As castas crescem sozinhas e produzem vinhos que não são muito ruins. Estes são vinhos ecológicos antes da hora.

Mas não tratar as videiras é mal aceito pelos grandes grupos industriais. Antes de colocarmos apenas coisas simples nas vinhas, como o limão, mas a chegada da filoxera, oídio e assim por diante. lançou uma indústria química que está rapidamente se tornando muito importante. Os industriais ficam chocados ao ver que essas trepadeiras sofrem poucas doenças e que, além disso, não as tratamos. Isso é inadmissível. Ele deve ser removido, você deve poder vender produtos químicos.

Muitos produtores de vinho arruinados foram aos departamentos franceses da Argélia para criar uma nova vinha. Em 1934, com o crescimento de produtos fitossanitários, a produção francesa mais a da Argélia francesa e os estoques existentes excederam 100 milhões de hectolitros. O governo quer limpar o mercado.

Emile Cassez, Ministro da Agricultura, propõe remover certas castas. A votação acontece no dia 24 de dezembro, véspera de Natal, dizendo que os membros estão com pressa de sair ... Isabelle é escolhida primeiro, depois vêm todas as passagens das vinhas americanas: Noah, Othello e Clinton. Essa escolha confirma o pensamento de Freddy Couderc: "a pressão das empresas químicas é real porque o Aramon, que oferece um enorme rendimento, mas que precisa de muitos tratamentos químicos, não foi proibido". E em apoio às suas decisões, os eurodeputados afirmam que os vinhos produzidos a partir destas castas os tornam "loucos e cegos". Sua produção de metanol seria muito alta. Lenda, boato ou verdade, seja o que for, eles são proibidos.

Duas variedades de uvas são adicionadas por manobra política: o Jaquês, muito presente no departamento de Edouard Daladier, e o Herbemont, acrescentado pela oposição para tocar o ministro do Interior de Toulouse.

 

arrachez vos cépages prohibés

comunicação em papel absorvente

Os franceses devem declarar, voluntariamente e por sua honra, sua produção e remover as castas proibidas. Estima-se que mais de 3 milhões de hectolitros produzam variedades proibidas, ou seja, 60.000 hectares em 1934, depois 2 milhões em 1938 e 220.000 em 1945. Os políticos acolhem com satisfação o sucesso e a boa fé dos franceses ... até o choque de 1953, quando um cadastro é organizado. Resultado: são listados mais de 60.000 hectares de variedades proibidas. Nada foi rasgado desde 1934! De fato, além da produção pessoal, esses vinhos foram vendidos no mercado negro durante a Ocupação porque, nesse período de restrição, o principal era beber e comer.

No início dos anos 60, um certo Ministro das Finanças Valery Giscard d'Estaing incentiva a retirada com um prêmio de 150.000 francos (22.000 €). Mas seu Inspetor de Finanças está ateando fogo em uma publicação que ameaça os agricultores com sanções e acusa essas variedades de uva "relíquias do passado" de produzir vinho ruim. Os monges católicos se rebelam contra ela e a veem como um ataque do governo à Igreja e se recusam a atacar.

E ainda pior, queimam o carro do gerente regional do Instituto de Vinhos de Consumo Atual e o sequestram. Um telefonema foi enviado ao prefeito para dizer que esse senador deve deixar a região se quiser vê-lo vivo! Ele é então libertado. Ele então escolherá a posição menos arriscada de Sommelier do Tour d'Argent. Finalmente, Valéry Giscard d'Estaing aumenta a multa para 300 000 francos (45 000 €), e a maioria das variedades proibidas é arrancada ... ou quase.

em outro lugar

Embora a proibição tenha se originado na França, a União Européia estendeu as restrições em todos os países membros. Itália, Áustria e outros países produtores de vinho estão sujeitos às mesmas restrições.

Ao aderir à União Europeia em 2007, a Romênia se comprometeu a renunciar às variedades de uvas que não pertencem à espécie Vitis vinifera ou que não provêm de cruzamentos que contenham Vitis vinifera. Assim, metade das vinhas da Romênia perdeu o direito de comercialização, uma perda de potencial para este país que enfrenta um êxodo real de sua população em busca de uma vida melhor em outros países da União Europeia .

Na Áustria, foi encontrada uma maneira de contornar a legislação. Os vinhos das variedades proibidas são chamados de "vinhos de frutas". Um desprezo que continua para sempre.

Na Itália, há muito Clinton na região de Treviso. Apesar da tolerância da legislação sobre produção familiar, a italiana Clinton enfrenta um tabu, especialmente em torno dos festivais da vila que comemoram essa variedade e são censurados pelas autoridades.

Nos Estados Unidos, além do período de proibição referente a todos os produtos alcoólicos, essas castas sempre foram cultivadas e consumidas. Sua resistência é particularmente adaptada aos terroirs e clima de certas regiões, enquanto as variedades "vinifera" são muito menos. No estado de Nova York, encontra-se o Concord Belt, a maior área de cultivo de uvas Concord do mundo. Isso representa um peso significativo em termos de emprego e economia.

hoje

A proibição, que deveria ser reavaliada a cada 3 anos, continua 80 anos depois. Mas no mercado de Vans em vinho Ardeche é vendido, em todas as recepções oficiais dos dois vales que bebemos Clinton, fazemos até o conhaque de Clinton, o Cartagena Clinton. Todo mundo sabe disso e não é um problema.

Hoje, as associações pedem uma revisão da proibição e que podemos começar a plantar essas castas proibidas. Mas há um lugar na cultura e no gosto francês por esses vinhos?

Freddy Couderc considera que a história do relacionamento com o vinho é especial. Na época da filoxera, o vinho era assimilado à comida. Um mineiro menor bebia de 5 a 7 litros de vinho por dia. Ele deu força a um homem para trabalhar. Hoje estamos no vinho do prazer. E é justamente nesses vinhos agradáveis ​​que essas castas têm um ótimo lugar.


Para Hervé Garnier, as mentalidades evoluíram amplamente, tanto na profissão quanto no público. Hoje encontramos cada vez mais os chamados vinhos "naturais", e ainda pressionamos ainda mais a cortiça, começamos a não usar mais sulfitos para a conservação dos vinhos. É possível, é mais delicado, pode produzir vinhos um pouco mais específicos, mas encontramos na maioria dos comerciantes de vinho. O vinho natural está em expansão. Este é o começo de um fenômeno que não deve vacilar.

O número de produtos fitossanitários utilizados é fenomenal, chegamos a moléculas penetrantes, que entram no interior das plantas. Isso coloca problemas reais de saúde. A longo prazo, não é possível colocar os produtos indefinidamente em todos os solos. O futuro está com as videiras que têm uma melhor resistência natural a doenças.

Isabella se tornou a principal variedade de uva da Índia, conhecida como Bangalore. Também é encontrado na Geórgia, Uruguai, Colômbia, Brasil. Resiste ao frio, até -30 ° como na Coréia. Na Itália, alguns fizeram perfumes. No Canadá, o Concord também é resistente ao frio. Lá a videira Vitis vinifera não segura, ela morre. No Brasil, Herbemont também é plantada. Quanto a Jaquês, é a principal variedade de uva do conhaque do Texas, um vinho doce ideal para a sobremesa, com um charuto. Por que essa renovação? Pela mesma razão que eles eram populares na França no século XIX: sua resistência.

2016 09 04 - CHATEAU DE PORTES - GH4.02_

reuniões das variedades de uvas do Cevennes

A maldição parece ter terminado e há um retorno gradual desses banidos. Isso está implícito na associação Fruits Oubliés, apesar de um conflito de regulamentos. O decreto francês de 1934 que proíbe essas castas foi revogado em 6 de setembro de 2003. Mas a proibição permanece no nível europeu: em teoria, desde 1999, o regulamento comunitário geral autoriza o vinho Vitis vinifera cruzado com outras espécies do gênero Vitis, Jaquês, Herbemont (Vitis labrusca) ou outros Vitis, a priori tudo é possível. Infelizmente, está escrito "exceto as proibições de 1934" sem qualquer justificativa.

A Association of "Frutos Esquecidos Rede" organizou em Bruxelas, em 26 de abril de 2016, uma degustação de vinhos proibidos de vários países com os dois eurodeputados Eric Andrieu, José Bové, presidente da Comissão Agrícola do Parlamento Europeu (polonês Czeslaw Adam Siekierski ), bem como Klaus Rapf (Noah Arch - Áustria) e Franco Zambon (Itália). Após a degustação, as autoridades da cidade prometeram apoiá-las com ainda mais vigor.

José Bové

José Bové (esquerda)

Os ativistas querem quebrar a lenda: essas variedades de uvas não deixam você louco! Hervé Garnier, da associação "Memória da Videira", cultiva uma vinha centenária de Jaquês. Somente membros desta associação podem desfrutar deste vinho. Eles enlouqueceram? "Fizemos análises extremamente detalhadas sobre o vinho, e o resumo da análise é muito simples:" nada perigoso em sua pinard, exceto as raras moléculas de matadores de ervas daninhas "usadas pelos antigos proprietários". Gilbert Bischeri, por sua vez, mantém o relatório da tese de uma estudante de farmácia intitulada "O Noé, o vinho que o deixou louco", no qual ela demonstra o contrário.

Da mesma forma, a pedido do Parque Natural Regional de Monts d'Ardèche, um estudo concluiu que "o vinho de Jaquês contém, portanto, um teor de metanol comparável ao encontrado em vinhos fabricados a partir de Merlot, Cabernet. , syrah ou sauvignon e, portanto, não é mais perigoso para a saúde, pelo contrário, sua taxa de resveratrol é muito alta. Mas o resveratrol é bom para a sua saúde ...

amanhã

Os ativistas da associação "Frutos Esquecidos Rede" foram recebidos no Ministério da Agricultura em 12 de abril de 2016. Durante esta entrevista, o representante do Ministro indicou que quase não havia mais problemas nessas castas ( especialmente na parte sanitária) e que as disposições permitiram cultivá-lo. Ele indicou que seria dada uma resposta às queixas, o que não foi feito. Assim, sem este documento e de acordo com a legislação em vigor (que prevê um período de dois meses para a administração responder), as disposições estabelecidas nesta reunião se tornaram definitivas.

Uma batalha teria sido vencida: a de não se preocupar mais, em áreas da cultura tradicional, por plantar, cultivar, produzir mudas de uva proibidas, consumir, oferecer, vender, produtos derivados dessas variedades. vinha, em qualquer caso, sem medo de ser processado perante um tribunal repressivo.

No entanto, se os jovens produtores de vinho já estiverem prontos para comercializar vinhos feitos com essas castas, os regulamentos permanecerão ambíguos. As leis foram alteradas, mas as restrições permanecem: as de autorizações de plantio e auxílios que autoridades ou órgãos públicos de direito público podem recusar. Os candidatos ao cultivo de castas proibidas têm suas aplicações recusadas. Existem procedimentos para obter satisfação, mas os efeitos da proibição ainda atrasam uma cultura irrestrita.

Mas gradualmente a luta parece dar frutos e a luta continua: refeições acompanhadas por vinhos proibidos são transmitidas na imprensa local e um encontro internacional de castas proibidas está em preparação.

 

Os apaixonados pela resistência não perdem a esperança e sabem que em breve, nas mesas, Clinton, Isabelle, Jaquês, Othello, Herbemont e Noah não precisarão mais corar ou se esconder.

Novas variedades de uvas resistentes para viticultura sem pesticidas


Cientes dos limites da agricultura orgânica tradicional, François e Vincent PUGIBET, do Domaine La Colombette, em Béziers, optaram por uma maneira original, a das castas resistentes. Resultantes de múltiplos cruzamentos entre variedades tradicionais e videiras mais rústicas ou selvagens, essas novas variedades são naturalmente resistentes ao oídio e ao oídio. A vinha assim constituída não requer mais pesticidas.

Após alguns anos de experimentação, essa idéia utópica a priori se tornou realidade. Várias dezenas de acres da fazenda, plantadas com essas novas uvas híbridas, não recebem pesticidas há 6 anos: sem enxofre, sem cobre, sem poção mágica, NADA!

Enólogos de todas as regiões da França envolvidas no plantio de castas resistentes decidiram criar a associação PIWI France. Além da troca de experiências, promoção do vinho e treinamento, o objetivo é influenciar as decisões regulatórias. Para ampliar esses objetivos, a associação está obviamente ligada ao PIWI internacional, que agora está trabalhando com sucesso em outros países europeus, principalmente na Alemanha e na Áustria.

Castas resistentes autorizadas em França:

12 novas castas de uvas resistentes (suíças e alemãs) foram incluídas na classificação de castas de uvas francesas (despacho de 19 de abril de 2017):

    8 castas brancas: Cabernet Blanc, Bronner, Johanniter, Muscaris, Saphira, Solaris, Soreli, Grey Souvignier.

    4 variedades de uvas vermelhas: Monarch, Cabernet Cortis, Pinotin, Prior.

As restrições à rotulagem são esperadas para os vinhos dessas variedades.

 

 

 

A associação Frutos Esquecidos Rede 

e os vinhos IGP Cévennes

apóiam o filme

© Lumière du Jour 2018 - 2020